mai 2 2016

A história de Geraldo

MEDO DE  FANTASMA

conto a historia de Geraldo/ AS

Meu nome é Geraldo Aparecido e este é o meu relato.

Quando eu tinha 14 anos o meu dia era bem lotado de coisas para fazer. De manhã, tinha natação e, à tarde, escola; depois, escola de dança. Eu queria ser um daqueles cantores jovens que tinham conjuntos e dançavam como os adolescentes que viviam passando na TV. New kids on the blook era um dos conjuntos de que eu mais gostava e sempre tentava imitá-los nos videoclipes que assistia.

Uma das professoras de dança, Regina, que tinha na época 23 anos, era uma beleza radiante e dançava perteitamente. Seu sorriso sempre me deixava empolgado em seguir  seus passos nas aulas. Fazia sempre o melhor para receber seus elogios.

Um dia ela disse que iria sair da escola, pois tinha arrumado um novo emprego. Eu fiquei muito triste, não queria que partisse assim tão rápido. Eu confesso que tinha um amor platônico por ela.

Eu a encontrei do lado de fora da escola. Ela estava com suas coisas, indo para casa. Eu perguntei se eu poderia ajudar a carregar, pois ela estava com muitas coisas e ela aceitou. Disse que morava perto dali, a umas duas quadras.

Enquanto  andávamos, ela me contou uma história sobre um casal que havia morrido em um incêndio em uma casa ali perto. Esse casal fez de tudo para ficar juntos, mas eles morreram e só o fantasma da mulher ficava vagando pelo mundo e, por meio de um pacto, ela reencontrava seu marido por uma noite.

Eu fiquei curioso com a história. E os detalhes que ela me passava eram tão reais que eu continuei vez mais curioso.

Ela percebeu minha curiosidade sobre a história e disse que iríamos passar pela casa onde o casal vivera.

Paramos em frente à casa. Era muito velha e ninguém a havia reformado depois do incêndio. A casa devia estar mesmo assombrada, pois não havia ninguém escondido lá.

Ela me convenceu a entrar. Disse que era seguro. Estendeu sua mão e eu a segurei. Ela me levou para a sala. Disse que eles adoravam aquele cômodo. Eu vi a foto deles no chão. Ela sorriu quando percebi que era ela na foto.

Eu fiquei assustado. Seria possível? A minha professora era um fantasma?

Eu havia ouvido outra voz, dizendo:

“O que está esperando Regina?? Mate logo o rapaz para que possamos passar mais uma noite juntos!”

Eu fiquei congelado e apavorado. Aquilo não podia estar acontecendo!

Eu só pensava em fugir de lá. Corri para a porta e ela se trancou sozinha. Olhei para a Regina e vi que ela falava com seu marido.  Depois, levantou os braços e a porta se abriu novamente. Eu corri para a porta e ela se fechou, prendendo o meu pé. Ela gritou para ele parar com aquilo. Que ela queria paz. Queria morrer em paz e nunca mais levar ninguém lá para ser sacrificado só para ficarem juntos uma noite.

Isso me deixou em pânico. Eu era um tipo de sacrifício? Ela tinha que me matar?

Ela novamente gritou e a porta se abriu. Livre, corri para fora da casa. Ouvi gritos e a casa começou a desabar. Tudo estava virando poeira que invadiu a rua. Depois, tudo ficou calmo.

Ninguém acreditaria na minha história. Mas deixo ela aqui registrada.

[Texto enviado por Geraldo Aparecido/A.S]